EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS HISTÓRICOS – O CASO DOS PAÇOS DO CONCELHO DE LISBOA

Intervenção que permitiu uma redução de 50% do total do consumo de energia

Os edifícios são responsáveis por cerca de 40% do consumo total de energia na Europa. Em Lisboa, o peso dos edifícios de serviços e residenciais atinge 50% do consumo de energia final. A urgência na reabilitação energética de edifícios é central no Pacto Ecológico Europeu e determinante para o sucesso da visão de neutralidade carbónica em 2050.

No caso dos Edifícios Históricos, os desafios enfrentados pela reabilitação são intensificados, obrigando a estratégias concertadas, a novas abordagens e a muitos compromissos.

A intervenção realizada no Edifício dos Paços do Conselho foi motivo de um artigo publicado no POLITICO.EU. O artigo detalha as fases cruciais deste processo, desde o levantamento dos consumos energéticos, primordial para a tomada de decisão sobre as intervenções a efetuar para o aumento do desempenho energético, à avaliação do investimento, passando pelas barreiras patrimoniais enfrentadas, nomeadamente as levantadas pela Direção Geral de Proteção do Património.

A Lisboa E-Nova acompanhou tecnicamente a implementação de todas as medidas, nomeadamente ao nível da alteração de vãos envidraçados, iluminação interior, instalação de painéis fotovoltaicos e mudança do sistema de AVAC, medidas estas que permitiram uma redução de 50% do consumo energético entre 2016 e 2019, resultando em 84 toneladas de equivalente de CO2 de emissões evitadas.

De realçar, embora o artigo não a refira, a plataforma Observatórios de Lisboa, da responsabilidade da Lisboa E-Nova, que fornece acesso aos dados de telecontagem provenientes de contadores inteligentes de eletricidade, permitindo monitorizar e analisar os consumos da instalação, identificar padrões e desvios, conhecer perfis de consumo, entre outras funcionalidades e, desta forma, obter melhorias, minimizar impactos ambientais e reduzir consumos e custos operacionais.

 1,167 total views