Skip to main content
search

A inovação no sector da Água - que futuro

Resumo da Sessão:

Num passado não muito distante, os níveis de atendimento e eficiência dos sistemas de abastecimento de água e tratamento de águas residuais em Portugal eram muito baixos.
Em duas décadas Portugal infraestruturou-se de forma rápida, eficaz e este processo conhecido como “O Milagre Português” trouxe consigo uma enorme melhoria das condições de saúde pública e ambientais para todo o país.
Os grandes investimentos estão realizados, a Águas do Tejo Atlântico está na fase da manutenção dos ativos, melhoria da eficiência da operação e na aposta na inovação por forma a caminhar para novas soluções, mais eficazes e mais “verdes”.
A introdução clara dos princípios da economia circular é o caminho da Águas do Tejo Atlântico – através da inovação dar um novo desenvolvimento ao setor. A empresa faz uma forte aposta na inovação dos processos produtivos, na otimização da utilização dos recursos e no desenvolvimento de novos produtos e serviços a partir da matéria-prima
existente e dos produtos até agora considerados finais, dando-lhes nova vida através da reciclagem, valorização, reutilização e integração.
A Águas do Tejo Atlântico é uma das entidades pioneiras (como o Município de Lisboa também o é) na incorporação dos desafios da economia circular na gestão do ciclo urbano da água, fazendo evoluir o processo de tratamento das águas residuais para um novo paradigma de valorização dos recursos. É neste contexto que surgem as Fábricas de Água, um novo conceito de Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), onde a água reciclada e os seus sub-produtos são considerados matéria-prima plena de recursos para reutilizar e reintegrar no sistema produtivo. Para isso criámos a marca “água+” tendo em vista a identificação da água reciclada produzida nas Fábricas de Água, com qualidade adequada a cada tipo de utilização não potável.
A reutilização da água residual tratada para rega ou lavagens, nomeadamente de ruas, viaturas e de equipamentos, é já uma realidade em algumas das infraestruturas da empresa e no município de Lisboa, favorecendo uma otimização dos recursos hídricos em utilizações que não carecem de água potável. Em conjunto com o Município de Lisboa, a Águas do Tejo Atlântico querem ir mais além com uma rede de condutas dedicadas ao transporte de água reutilizada para estes usos urbanos, projeto que está em fase bastante desenvolvida.
Por outro lado, das Fábricas de Agua poderão também resultar outros produtos, como bioplásticos, água e biocombustíveis, e recuperação de vários nutrientes, como o fósforo, para serem incorporados em novos processos produtivos, fomentando a Economia Circular.

Data
26 de março 2019

Localização
CIUL 

Orador
Hugo Pereira (Águas do Tejo Atlântico)

Horário
18h00 às 19h30

Apresentação

Moderador
Maria João Rodrigues (Lisboa E-Nova)

Outras sessões

Dezembro 14, 2023

Os desafios da arquitetura na era das alterações climáticas

Dezembro 14, 2023

As Soluções do Protocolo KNX e os Edifícios nZEB

Abril 19, 2018

Plano de Emergência para o Risco Sísmico da Cidade de Lisboa

Leave a Reply