Skip to main content
search

Casas Passivas - Uma Abordagem Construtiva

Resumo da Sessão:
O conceito Passive House foi criado em 1988 pelos físicos Bo Adamson e Wolfgang Feist, cuja investigação levou à construção do primeiro edifício Passive House em 1991, em Darmstadt, na Alemanha. Este edifício constituído por um conjunto de quatro casas geminadas, tem sido monitorizado constantemente, apresentando até hoje um consumo de energia para aquecimento inferior a 12 kWh/(m2.ano), ou seja, cerca de 75%-80% abaixo do consumo das habitações convencionais alemãs.
Ao longo dos 25 anos decorridos desde o desenvolvimento do standard Passive House, que resultou deste estudo e deste projeto, e que está constantemente em processo de revisão e atualização, o conceito tem-se disseminado por todo o mundo, existindo atualmente cerca de 20.000 edifícios construídos segundo estes padrões de elevada eficiência energética.

Em Portugal, uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro, tem estudado e adaptado este standard ao clima nacional tendo já um protótipo construído segundo estes princípios em colaboração com uma empresa local e segundo um sistema construtivo modular com estrutura em perfis de aço enformado a frio. O objetivo desta palestra é apresentar as soluções de conceção e de execução que resultaram de todo um processo de otimização do processo construtivo original previamente existente, para se atingir uma casa cujo desempenho obedece aos requisitos do standard Passive House, bem como os resultados da sua monitorização.

Data
16 de fevereiro 2016

Localização
CIUL 

Orador
Fernanda Rodrigues e Ana Dinis Alves (PassivHaus-Zero Energy Plataforma Portuguesa )

Horário
17h45 às 19h30

Apresentação

Moderador
Miguel Águas (Lisboa E-Nova)

Outras sessões

Novembro 21, 2023

O risco sísmico na cidade de Lisboa, o Planeamento Local de Emergência da cidade e as linhas de força do Plano Especial de Emergência para o Risco Sísmico da AML

Fevereiro 12, 2019

A inovação no sector da Água – que futuro

Abril 17, 2018

Cidades do Futuro Como é que a iluminação vai transformar as cidades do futuro?

Leave a Reply