Skip to main content
search

A pobreza energética em Lisboa - Resultados do 1º inquérito realizado

Resumo da Sessão:

Estima-se que mais de 34 milhões de pessoas em toda a União Europeia vivam em diferentes níveis de pobreza energética. Portugal é, segundo as estatísticas europeias, um dos piores países europeus nesta matéria. Segundo estimativas avançadas pela Estratégia Nacional de Longo Prazo para o Combate à Pobreza Energética 2021-2050, entre 1,2 e 2,3 milhões de portugueses vivem em situação de pobreza energética moderada e entre 660 e 740 mil pessoas encontram-se numa situação de pobreza energética extrema.

A Lisboa E-Nova e a AdEPorto, em colaboração com o Instituto de Ciências Sociais (ICS-UL) e o Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (ISAmb-FMUL), e com o apoio dos Municípios do Porto e Lisboa, realizaram um inquérito nos dois municípios para recolher e avaliar diferentes variáveis relacionadas com a pobreza energética (conforto térmico, repercussões ao nível do estado de saúde, construção dos edifícios, equipamentos de aquecimento/arrefecimento, fatura energética e literacia energética).

Nesta sessão do Ponto de Encontro serão apresentados os resultados do 1º inquérito à pobreza energética realizado na cidade de Lisboa, um estudo que constitui um primeiro passo na caracterização e monitorização das variáveis relacionadas com a situação de pobreza energética na cidade e representa um instrumento essencial para a criação de políticas públicas, locais e nacionais, orientadas para a mitigação deste problema que afeta a saúde e o orçamento das famílias.

Data
13 de outubro 2022

Localização
Zoom

Orador
Sara Freitas (Lisboa E-Nova)

Horário
17h00 às 18h00

Apresentação
Download Aqui

Moderador
Eduardo Silva (Lisboa E-Nova)

Outras sessões

Abril 19, 2018

Plano de Emergência para o Risco Sísmico da Cidade de Lisboa

Setembro 28, 2022

A pobreza energética em Lisboa – Resultados do 1º inquérito realizado

Abril 17, 2018

Cidades do Futuro Como é que a iluminação vai transformar as cidades do futuro?

Leave a Reply